Soweto (Joanesburgo – África do Sul) – Racismo, Barbárie e Sorrisos

Quando olho as fotos que tirei no Soweto, na África do Sul, e me vejo sorrindo, eu penso: “O que eu tinha na cabeça em estar sorrindo em um local que é um dos maiores símbolos de luta e sofrimento do mundo?”. Mas quando me lembro das conversas que tive por ali, tudo faz sentido. Continuar lendo

Compartilhar:

O perigo das bolhas sociais

Se você é do tipo que exclui alguém de sua rede social simplesmente porque ele pensa diferente de você, você certamente está em uma bolha! Continuar lendo

Compartilhar:

Apelo: Periferia, volte para o RAP

Cresci no Capão Redondo. Vivi lá durante as décadas de 80 e 90 quando o RAP estava no seu auge. Já no final dos anos 90, tive um contato um pouco mais próximo com este estilo musical por ter participado de um projeto de um mega show de RAP e por ter um projeto online para despertar nos jovens da periferia o interesse pela escrita, contando suas histórias, escrevendo poesias etc. Continuar lendo

Compartilhar:

Você é só 1 em 6 bilhões

Em algum lugar no mundo você é exótico. Em algum lugar no mundo você é tão diferente, que eles olham para você com a mesma admiração com a qual você vê um aborígene.

São 6 continentes que falam 6.900 idiomas, com culturas completamente diferentes umas das outras, divididos em 193 países que abrigam mais de 6 bilhões de pessoas de diversas raças e etnias. Continuar lendo

Compartilhar:

Quantos anos levaria para o Brasil se tornar uma Suíça?

Estamos vendo no Espírito Santo o caos instaurado. Pessoas comuns, possivelmente até do seu convívio social, se aproveitando de uma porta de uma loja de departamento que foi arrombada por algum bandido, para mostrar o que o brasileiro tem de pior. Com o ímpeto de tirar vantagem, no melhor estilo malandro brasileiro, saqueiam lojas lado a lado com aqueles que eles tanto abominam. Pessoas comuns, com bons carros, bem vestidas mas que não conseguiram resistir a tentação ao verem uma loja aberta (lê-se arrombada), com os produtos nas prateleiras e sem nenhum policiamento ou controle que as impedisse de pegá-los para si. Continuar lendo

Compartilhar:

Seu crime: Negou-se a ceder seu lugar no ônibus para um homem branco

Acredite, era lei! Sim, era ilegal um negro se sentar no lugar de um branco de ônibus.

Era o período da segregação racial, ou Apartheid. Regime legal de segregação que vigorou por décadas na África do Sul e de forma muito semelhante nos Estados Unidos. Enfatizo que eram legais pois realmente existiam leis que determinavam como a sociedade deveria ser dividida entre negros (“de cor” ou “coloreds”) e brancos – e na África do Sul, também a separação com indianos. Continuar lendo

Compartilhar:

Lute contra a gordofobia mas emagreça

Há três anos eu pesava 130kg e não era feliz. Nenhuma propaganda, post ou campanha que dissesse que eu deveria ser feliz como eu era me convencia. Continuar lendo

Compartilhar:

Empatia: Ou você tem, ou deveria ter

Bem possivelmente alguém já disse para você “coloque-se no meu lugar”. E você, do seu jeito, fez esta inversão de papeis e não mudou nada. Você continuou com a mesma opinião e sem conseguir ver o que ela via, pensar o que ela pensava ou sentir o que ela sentia. Talvez você tenha apenas trocado de copo e esperando sentir um gosto diferente da mesma bebida. Continuar lendo

Compartilhar:

Fim da Cultura do Estupro: Você está sendo coerente?

Daí você trocou a foto do perfil apoiando a campanha pelo Fim da Cultura do Estupro. Mas você curte um funk, ou pior, afirma e defende que o funk é uma expressão popular a ser respeitada e que o “funk é cultura”.

Bom, eu não concordava, mas me fizeram mudar de opinião: O funk é expressão cultural sim. Da cultura do estupro! Continuar lendo

Compartilhar:

Trinta homens, uma adolescente e o silêncio de 200 milhões

Cerca de 30 homens estupram uma menina de 16 anos, filmam, postam na internet e uma leva de tantos outros homens fazem piada da situação na internet. Nas filmagens, a adolescente nua, sangrando em suas partes íntimas, e os estupradores comemorando o ato e ridicularizando a jovem que, desacordada, não faz ideia do que está acontecendo. Continuar lendo

Compartilhar: